Diversidade do microbioma de feridas crônicas (Tipton, 2020)

TÍTULO DO ESTUDO: A genética do paciente está ligada à composição e cura do microbioma da ferida crônica

RESUMO: Identificação de 6 variantes genéticas que explicam a variação na diversidade do microbioma da ferida, um fator crítico no processo de cicatrização de feridas.

VISÃO GERAL: Normalmente as feridas cicatrizam em questão de semanas ou meses, geralmente formando tecido cicatricial no local da lesão. As feridas crônicas são definidas como feridas que não mostram sinais de cicatrização após um período de 3 ou mais semanas. Estudos anteriores mostraram que a cura bem-sucedida de uma ferida é afetada pela composição do microbioma da ferida. Por exemplo, feridas que são predominantemente colonizadas por apenas algumas espécies de micróbios (= baixa diversidade de microbioma) parecem cicatrizar em um ritmo mais lento. Este estudo buscou encontrar marcadores genéticos associados à diversidade de microbiomas em feridas crônicas. Ao examinar a informação genética de quase 80 pacientes, o estudo identificou 6 variantes genéticas que podem ser usadas para calcular uma pontuação poligênica que explica 53% da variação na diversidade do microbioma da ferida. Muitas das variantes ocorrem em genes associados a processos envolvidos na cicatrização de feridas, como a adesão celular.

VOCÊ SABIA? A dieta também influencia a cicatrização de feridas. Por exemplo, a vitamina C, comumente encontrada em frutas e vegetais, é necessária para que o corpo crie colágeno. O colágeno é uma proteína estrutural crucial para o fechamento de uma ferida e a formação de tecido cicatricial. O zinco e a proteína na dieta também podem ajudar a promover uma cura rápida e bem-sucedida. [SOURCE]

RESULTADOS DE AMOSTRA: Saiba mais sobre o Nebula Research Library .

Resultados da amostra de diversidade de microbioma de ferida crônica


VARIANTES ASSOCIADOS À DIVERSIDADE DE MICROBIOME: rs11984782, rs12307988, rs4758411, rs3846499, rs1436708, rs201276730

RECURSOS ADICIONAIS:
Como uma ferida cura a si mesma (Vídeo)

VOCÊ TAMBÉM PODE ESTAR INTERESSADO EM:
Dermatite atópica (Paternoster, 2015)
Psoríase (Tsoi, 2015)

ATUALIZAÇÃO SEMANAL: 3 de julho de 2020